Qual é a idade do emprego formal no Brasil?

O desemprego no Brasil é particularmente elevado entre seus jovens. Ele ressuscitou
rápido desde 2013, e ameaça desfazer algumas das conquistas sociais de a década anterior. A taxa de desemprego dos jovens a mão-de-obra é mais elevada na maioria dos países por várias razões, sobretudo em locais onde a mão de obra depende muito da indústria, como é o caso dos empregos de Fortaleza. 

Jovens têm uma experiência limitada de procura de emprego; apresentam perspectivas mais arriscadas para
empregadores do que trabalhadores mais velhos; e muitos precisam de “fazer compras”, experimentando diferentes sectores ou empregos antes de se comprometerem com um. Estas razões explicam não só uma taxa de desemprego mais elevada entre os jovens, mas também níveis mais elevados de rotatividade, e períodos mais curtos de emprego.

Carteira de trabalho emprego formal

Em tempos de crise financeira e econômica, membros mais jovens da força de trabalho também geralmente incluem o segmento atingido primeiro por demissões, e durante uma contração econômica prolongada, eles têm a maior dificuldade em encontrar novas emprego. Em grande parte do período de crescimento do Brasil, de 2003 a
2014, a taxa de desemprego dos jovens seguiu a taxa global, mas a diferença entre os dois começou a aumentar significativamente a partir de 2012, com o emprego as perspectivas de crescimento da população em idade ativa (30-54 anos).

A mudança do Estatuto profissional da juventude trabalhadora apresenta um quadro variado. O segmento da Juventude (aqueles com idades entre 15 e 29 anos) mostrou maiores taxas de inserção formal do trabalho do que a população em idade de trabalhar. Isto poderia refletir uma posição vantajosa da atual coorte de 25-29 anos, que tem níveis mais elevados de educação do que este grupo etário tinha no passado e foi inserido com sucesso em emprego formal durante os anos de elevado crescimento. Mas entre os “mais jovens” ou jovens-trabalhadores com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos – a taxa de emprego informal é mais elevada do que para a força de trabalho empregada em geral (ver figura 1.10). Este padrão de mercado a atividade é semelhante aos padrões observados dos” jovens mais jovens ” noutros países.

Na medida em que os períodos de emprego informal proporcionam plataformas em que os jovens podem adquirir experiência profissional e competências técnicas e agir como “stepping stones” para mais tarde, empregos mais bem pagos oferecendo mais oportunidades, este o padrão dá pouco motivo de preocupação. Um conjunto crescente de provas de vários no entanto, os países de rendimento médio e elevado indicam que pode não ser esse o caso.

Períodos de desemprego ou longos períodos de trabalho informal podem ter impacto duradouro e adverso no capital humano dos jovens e no seu futuro emprego.

As motivações e circunstâncias que levam uma pessoa a um trabalho informal (tais como evasão ou evasão fiscal, preferências pela flexibilidade e exclusão do emprego formal), são tão numerosas como as formas de trabalho informal (Trabalhador Familiar Não Remunerado, Trabalhador assalariado não contratado, trabalhador diurno, pequenas empresas proprietário ou único comerciante). Todas as formas de trabalho informal implicam um elemento de risco mais elevado, no entanto, especialmente quando as opções de uma pessoa são fortemente restringidas e o único os empregos oferecidos são empregos dependentes sem contrato assinado. Um cedo e
um período prolongado de trabalho informal pode colocar os jovens num caminho de um compromisso menos do que total.

As taxas mais elevadas de trabalho informal entre os jovens aumentam o risco de desemprego e de informalidade mais tarde na vida ativa, bem como os salários horários mais baixos em idade adulta. Os impactos adversos dissipam-se ao longo do tempo se os jovens tiverem a oportunidade de adquirir mais educação e capacidades relevantes para o emprego.

A “cicatriz” será, no entanto, substancial para aqueles que estão fora da escola e fora do trabalho, em relação àqueles em empregos formais. Jovens que experimentam longos períodos fora da escola e fora do trabalho
são particularmente afetados e enfrentam uma probabilidade estatisticamente significativamente mais elevada de
desemprego futuro e emprego informal e salários mais baixos mais tarde na vida.

Os efeitos sobre os salários não parecem dissipar-se à medida que os indivíduos envelhecem. Os seus superiores
as taxas de desemprego podem durar até cerca de 35 anos, enquanto que as taxas mais elevadas
a probabilidade de informalidade persiste até aos 45 anos de idade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *